A nova imagem do “Elas do Avesso”

A nova imagem do “Elas do Avesso” (bom, a primeira… porque até aqui, o que o #Elas tinha eram os meus rabiscos no pixlr) surge como uma bênção de quem me conhece por dentro. É assegurada pelo João Ferreira, cujo trabalho podem conhecer aqui e aqui.

Deixo-vos aqui as criações deste senhor… Obrigada… pela captação exímia do que é o #Elas… pela doçura, pela liberdade sem descurar o sex appeal do que é, do que tem de ser, a Vida. Continue reading

«Em Tudo Eu Entrei Para Falhar» na Vice Portugal

Hoje, é um dia histórico para mim… um dia em que um texto puramente essencialista do #ElasDoAvesso sai numa revista multinacional, pelas mãos do meu querido Sérgio Felizardo que os e-mails uniram logo no início do ano… Obrigada ao Sérgio, obrigada à Vice… por me receberem sem padrões, sem ajustes… sem edições nem cortes… por eu poder ser Quem eu sou… Obrigada pela ousadia editorial. Obrigada. Continue reading

Elas do Avesso na Barca FM Rádio

(O que é? A rubrica Espaço do Avesso surge como as asas de uma borboleta na boca do Nuno Cardoso, jornalista e incendiário da Barca Fm Rádio. “E que tal uma rubrica semanal em que tu falas sobre temas como a Literatura, a Filosofia, a Poesia, o Coach?”… Eu digo que Deus te mandou! Digo sim!.)

Hoje, falámos sobre o corpo… os limites que ele nos impõe e por que motivo acreditamos nele… em que medida a identificação com o meu corpo me limita e me faz atrair coisas menos boas? Continue reading

O amor é uma atividade radical

O”O amor não tem glamour” foi um texto que escrevi há uns meses, quando ainda nem eu sabia o que dizia… E não tem… O amor é nas pedras, é no inferno de ser quem nós somos… O amor é o assumir absoluto de que vamos ensanguentar os joelhos, mas vamos escolher ficar, porque o amor aprende-se no inferno (é a salvação para ele)… Na rotina… Na ausência aparente de novidade, no terror dos dias… No teu remexer na cama à procura de uma almofada que te salve os ouvidos e os olhos do barulho e da luz mortais do telemóvel, enquanto escrevo… Continue reading

Do que nos salva

(…)

Enquanto o círculo não fechar, vai sempre falhar alguma coisa… faltamos nós, este monumento-carne  de amor que nós somos… gosto, quando recebo mensagens de gratidão pelo livro, pelos vídeos, pelo meu trabalho… gosto de saber que ajudo pessoas… gosto de amar… quem não gosta? Gosto de sentir como sou invencível, como nada me pode fazer mal, quando amo… Continue reading

Dá-me azulejos e rosas, meu amor

Sento-me aqui… nesta janela inventada, num Porto que não me incomoda, que não faz barulho…

Tenho cuidado…  e escolho criteriosamente o lugar que vai albergar esta cerveja e o meu caderno. Sou quase íntima do Porto, ainda que cidade emprestada aos turistas… é difícil encontrar uma esplanada que não me lembre de casa… que me afaste o suficiente de lá, de casa, aqui… agora.

Continue reading