Não há título porque os títulos são injustos com os textos

Os títulos promovem a importância de palavras. São injustos com os textos e com as palavras. Porque se eu escrevo um texto, eu preciso de todas as palavras e, por isso, todas as palavras seriam importantes para titular um texto.

O amor devolve-nos a nós… Este devolve-me, pelo menos. Há o dom de beijar e tocar com o frenesim e a reverência de uma primeira vez… mesmo que isso aconteça pela milésima vez… Hoje foi outra dessas vezes em que nos beijámos pela primeira vez. Como se nos descobríssemos de novo outra vez. É possível descobrir outra vez?

Temos essa coisa de nunca fazer igual. De tudo ser irrepetível. Por isso, às vezes abria os olhos e ficava a olhar para ti… no meio da narrativa meio que selvática que acontece.

Ficava a olhar para ti. Porque um dia tudo vai. E eu queria lembrar-me de nós assim. Com a roupa perdida, que depois temos de procurar, com a roupa que não chegamos a tirar, que fica torcida nas minhas costas e na barriga… Há vezes que nem eu sei como é que a roupa está. Contigo e com os teus braços a agarrar-me… e com a tua boca a fazer desenhos que me endeusam, me sacralizam…Tens essa coisa de me prestar vassalagem nos beijos. Sacralizas-me os ombros, os braços e os ossos que querem sair da pele, quando me arqueio para ti. E é isso que eu quero guardar de nós… o dom que tu tens de descobrir que em mim há uma deusa.
#ElasDoAvesso #ElasDasVidas

Partilhar
0

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *