PRECISO DE SABER MAIS SOBRE A ESTÓRIA PARA LHE DAR UM TÍTULO

Gosto de ter escolha. Gosto de virar tudo do avesso. Gosto de chorar e ter medo que as coisas não resultem. Gosto, porque isso é entregar… e é, sobretudo, não fugir mais à responsabilidade que todos temos de ser felizes. De não sermos como os outros. E não é que os outros estejam mal.Nós é que já não estamos bem como eles na vida dita, “normal”. Não acredito que a vida seja um 9 to 5 (era bom, era… um 9 to 9, to 10… às vezes, to bed… e isso, isso é o pior… levar, desde que acordamos até que nos deitamos, os sonhos dos outros) .

Vestir camisolas que não são nossas e, para isso, despir a nossa… Ou, porque a nossa é inconveniente, ou porque a dos outros é grande de mais para que o nosso corpo aguente duas camisolas… a nossa e a dos outros…  e, por ser, mais fácil (será?), mais “confortavelzinho”, mais “inho”, lá vamos nós… pôr o armário dos outros em nossa casa… e vestir as roupagens que nos exigiram (ou que nós deixamos que nos exigissem?). E, no meio disto tudo, lá fica a nossa camisola abandonada… no mofo do confortável que a nossa “necessidadezinha” de segurança nos impôs… E depois… depois ficamos com frio… o Sol esconde-se… não há luz. Há trabalho… “issimos” de trabalho… Há um prestar continência qualquer ao social, ao que nos pediram para ser…

Há pessoas que nasceram com camisolas que não dão dinheiro (aparentemente ou no imediato… E disseram-lhes que o propósito da vida era esse… ganhar dinheiro)… que não são o sonho social… Há gente que quer escrever… que quer pensar… que quer desenhar… que quer dançar… que quer tocar… que quer cantar… que quer criar alguma coisa… que quer Ser. Que quer tempo para si… para se conhecer, para se empreender, para se abanar por dentro, limpar a ferrugem do que não é, para ser o brilho que É.

E, para estas pessoas, não dá mais para não tratar da Camisola… não dá mais para seguir modelos socialmente aceites… de gastos e estatutos… de vidas seguras e “controladas” (por quem?)… Não dá, porque precisamos da nossa Camisola… Desse tecido etérico que a vida nos deu para andarmos aqui e darmos aos outros… Precisamos de a pôr ao ar… de lhe tirar o mofo… de a salvar do engelhado… de a sentir na pele com o Vento que nos leva para onde temos de ir… Precisamos da nossa Camisola.

Porque se não a vestirmos, temos frio.

(E eu não quero mais ter frio.)

Há um Verão de vida à nossa espera. Há possibilidades, árvores, frutos e pássaros que não vemos agora. Mas há. Porque estamos de acordo com a Vida. E, como na natureza, uma flor não tenta ser uma árvore para se sentir mais segura – é provável que dure mais se for uma árvore, que não seja arrancada, que não seja pisada… -. 🙂 A flor corre mais riscos do que uma árvore… Mas enquanto vive, é bonita como só ela… impõe-se aos nossos olhos com o que É. E é feliz. As flores parecem-me sempre felizes. Sejamos como as flores. Sejamos o que viemos para Ser. E deixemos a aparente segurança do que não somos. Porque, um dia, o organismo rejeita a carapaça e quer mostrar a pele. E nós, nós ficamos nus… Num nu acre e com frio. Sejamos. 🙂

Há gente que se quer despir das vestes do bem-sucedido. Há gente que quer sair da ditadura dos Linkedin’s… e das suas próprias didaturas, sobretudo. Há gente para quem o sucesso não é social… Há gente para quem a felicidade é estar de acordo. De acordo com a ordem de dentro, que é única, irrepetível. É respirar pelas narinas, mas também pelo peito, pelas pernas, pelos braços e pelos dedos… E se tivemos tanta garra para sermos o sonho que não somos, como poderemos não ser o Sonho que nós Somos?

#ElasDoAvesso

#ElasDasVidas

#ElasVãoVestirACamisola

 

camisola-elasdoavesso

Partilhar
0

2 thoughts on “PRECISO DE SABER MAIS SOBRE A ESTÓRIA PARA LHE DAR UM TÍTULO

  1. Patricia Guedes de Sousa says:

    Minha querida Adorei!
    Que verdade!
    Que emoção!
    Que necessidade de transparência!
    Peço desculpa pela eventual presunção desta minha necessidade de mandar uns ” bitaites”: e se nem for necessário vestir camisola? Se o verão está lá para nós, para qualquer um de nós porque sentiríamos frio?!! Ser simplesmente pele…
    Tenho cada vez mais necessidade de ser só pele. Exatamente igual aos outros mas única, simplesmente na minha pele.
    Um beijinho!

    • marciaathewall says:

      Patrícia, se há coisa de que gosto muito é dos seus “bitaites”, que de “bitaitada” têm muito pouco. 🙂
      Creio que iniciei agora a viagem, como tão bem me disse 🙂 Ainda ando a trocar de roupa, mas sim… a caminho da Pele… Um grande beijinho e obrigada pela sua habitual sabedoria***

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *