Untitled

Há uma conspiração do universo para nos salvar… há uma verdade dentro pronta para nos salvar. Há uma valsa qualquer, um rastro de novo… vem de lá, do Antigo, mas é novo, novo como agora… fresco, sempre o mesmo e sempre a mudar. É o rasgo que cura, que une tudo… o que muda e o que não muda. Dizer expande, atravessa, rasga e não chega. Talvez uma música… tudo o que manifesta subtrai… mas traz-nos (suspensão de pensamento)

nada como parar e sentir. Não há poética como essa… ah… pudesse eu dizer como é, quando sou curada. Mesmo que no minuto seguinte doa… o Agora, este agora que salva… é o Agora que faz valer a pena, é o coração partido a cantar… a dor salva, é por isso que ela une. Rejeitá-la, não mais. Fugir, às vezes. Mas há uma forma nova de a sentir. Agora. Ela tem portas que eu não conhecia. A dor, a dor é o que me vai salvar, porque me leva de novo a Ti, sempre a Ti.

 

Partilhar
0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *