Um poema, uma transigência e a fila num autocarro

Há duas coisas em que confio, as minhas lágrimas e o meu sorriso. O sorriso que me rasga a cara sem eu contar. Quando dou por mim, estou a sorrir. E as lágrimas… são o que há de real em mim. Nao consigo fingir. Elas simplesmente saem. Espontâneas. Como é a própria vida.

Um poema, uma transigência e a fila num autocarro. Assim é a arte, assim é a vida, espontâneas. Como o homem que me olha, achando que me perdi no telemóvel, enquanto me debico na estrada.

#ElasDoAvesso

Partilhar
error0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *