Dos Gigantes Que Voam

Às vezes, é preciso dar um grande “que se lixe à vida”. É preciso ir com ela, ir para onde ela manda. Às vezes, é preciso deixar ir, deixar ir embora, não ficar mais onde não é o nosso lugar. Não sei para onde vou, nem como vou… mas sei que quero ir. Escrevo frenética, como um apelo de verdade em mim. Sei a verdade. Eu vou. Agora eu vou. Qual anã, gigante. Não sei ser sem ser gigante. Não sei. Morro-me aos pedaços por ser pequena. É a hora.

#ElasDoAvesso

Partilhar
0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *