O Passo Doble da Criança

Quero ser como uma criança original que diz não.
Face à argumentação do pai, face ao vitupério da vida. Diz não. Porque não é dizer sim a si próprio. Levanta-se da mesa. O pai diz “você decide”. Quero a liberdade de novo de decidir como antes. Dizer não sem culpa, com a beleza original de uma criança que sabe que é certa. Além da barriga adulta do pai,do Adamastor, gigante da vida.
Visão invertida (e este texto desalinhado).
O gigante está em nós e cresce onde colocamos o foco. No falso ou no verdadeiro.
Eterna Alice. Rainha branca
A vida enquanto representação
A força de uma criança
Ser desinteressada como uma criança. Ai que liberdade não fingir interesseIIO olhar apagado por baixo de um boné, salvo por uma lantejoula no peito. Ai que saudades de ser criança. Saudades de ser eu aqui. Mas porquê saudades se esta sou eu e eu tenho que ser quem sou e o que eu sou não deixa de ser? Ser completa aceitaçãoIIIEstou interessada na viagem desta criança. Por onde ela vai? Marvel. Eterno reino da fantasia.<<Criança

Partilhar
error0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *