Dobras no pescoço

eu quero a liberdade do reflexo das letras num braço
quero a pele negra
e uma dobra no pescoço
quero ser eu
a certeza de que sou eu
e um dedo a bater no vidro
o contorno perfeito de uma orelha
e uma vida nova pela frente
a surpresa e o deja vu da liberdade de uma trança no negro do vestido que é o teu cabelo
e dos lábios que prometem vida
preta
eu e uma criança num autocarro
somos um
a dobra da cor
a liberdade da cor
eu de novo
a poesia faz por mim o que mais ninguém faz
poesia é Deus em forma
natureza e uma pena no chão
liberdade e poesia
eu e uma muleta que é salva
uns lábios cerrados a parar o autocarro
tudo é poesia quando sou verdade
estado líquido do ser
porque me dispo, meu amor ?
porque é na brisa e na liberdade do ser que eu posso ser quem sou
na voz da minha alma e do coração para sempre
OVNIs nos olhos
poesia no coração

#elasDoAvesso

#EuSouCarruagem e Sou Cinderela também

Partilhar
error0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *