Pode ser

(Os textos deixam de ser nossos quando estão ultrapassados. Quando a lição versada está apreendida. Quando fazem chorar sem dor. Quando fazem chorar, porque Mostram).

Canto a dor

A dor de não ser eu

E de me retirar do mundo

A dor de doer

E de fazer drama do mundo

A dor

Pode ser que saia assim

Na máquina de lavar da poesia

Da roda lavada da poesia

Pode ser que passe

Pode ser que esprema

Até não sair mais nada

Só amor

Só amor destilado

Na dor

Ele sai curado

Sai sempre

Pudesse ser tudo como é

Quando escrevo poesia

O que diferencia a poesia do mundo? Digo o que é, digo o que dói… exponho… mas com pureza. Não com cinismo nem vitimização. Falo e canto. A tristeza destila. Vai embora, mesmo que fique.

 

A ti que não lês os meus textos

A ti que não queres saber do que faço

A ti a quem não estimulo

A ti

A ti a quem nunca roubei

Só amei, amei, amei

 

A respiração para

Acalma

Respiro fundo

Tudo é -r

De respirar

Calmo

De ir às profundezas do útero dos pulmões

Onde mora a vida e o absoluto

Deus

 

És como o meu pai a quem eu tentava impressionar pelo luto

A dor sempre me dava novos meios

Novos valores

Caminhos novos

Talvez eu inicie uma poesia nova

Daquela que não dói

Daquela que não tenta impressionar ninguém

Nem a ti meu amor

Daquela

Daquela de Quem eu sou

E que vem de vez em quando

Me faz mulher

Sereia de cauda e degenera

Humana de novo

Talvez

 

Sei que é vão

Tento impressionar-te com a dor

Porque não tenho mais nada

Ou passei a acreditar que não tenho

Passei a acreditar que só aqui sou fiel

Só aqui ninguém me faz mal

Só aqui ninguém me apunhala

Tornei-me vítima de um ego que me manipula

Que faz da minha vida casa assombrada

Todos os eus são fantasmas

Eu sou a única que nunca faz mal

Só eles a mim

 

Na verdade, passei a acreditar que não tenho valor absolutamente nenhum. Se calhar, nunca acreditei, mas isso era facilmente vendado… era fácil… eyeliner e um bom fato laranja acabariam por resolver tudo. Uma voz colocada, ideias no papel… quem haveria de me querer fazer mal? Ninguém, menos eu de mim a mim própria. Trucidava-me e fazia-me mal. Não acreditava em mim e por isso tratava mal os outros. Hoje, trato todos em igual medida. Tento ser boa. Estou melhor pessoa… mas talvez eu não seja essa… essa melhor, essa de graus… talvez eu seja quem sou… a que está acima dessas coisas todas… do bem e do mal… talvez esse lugar exista.

Talvez eu me safe

Me salve de mim.

Talvez

 

Às vezes,

Temos que ir assim mais fundo para ver a beleza do lanzarote

Um cão e um gato deitados um no outro

Às vezes, é preciso descer tão fundo que se ganhe uma nova perspetiva

Tão fundo que não dá para descer mais

Tão fundo que só Deus exista

Só ele pode existir

Nesta cama de perfume

Neste gato e cão inventados

Talvez um coração a bater me salve…

Aumentado pelo pêlo da novidade de um corpo

Talvez esteja tudo certo

Na dobra de uma pata de um gato

Talvez

É preciso acreditar no caminho

Mesmo que a lua cheia chegue

E Finalmente ela acabe

Talvez ela me traga boas novas

Eu só não perceba

Eu estou bem

Está tudo bem

#CiclicidadeDosCiclos

#SerUmaMulher

É ser lua também

E apagar-se

Diminuir

Perder luz e tesão

Para ganhar vigor depois

Talvez tudo isto faça parte

Talvez

#ConversasComOSol

Fonte

Fonte

 

Partilhar
error0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *