Nunca nada me magoou tanto como escrever

Nunca nada me magoou tanto como escrever… e nunca nada eu amei tanto como escrever. Uma vez eu ouvi “vais saber que amas, quanto mais vezes perdoares”… e acho que é isso… por muito que escrever me magoe, entregar isto, esperar, sonhar com fios e pavios de nada… sei que é isso… porque, por muito que me magoe, eu escrevo sempre… eu preciso de escrever… com ou sem aplausos, com ou sem sucesso, com ou sem ouvidos, brutos, sensíveis ou ensurdecidos… o que for, eu preciso de vir aqui, na escrita, resolver a dor do mundo… perdoar-lhe as coroas de sangue que me dá, ou eu me dou…

Continue reading

Partilhar
0

Da sabedoria alcalina

Gosto de descobrir que estava errada… gosto de respirar por baixo das superfícies… ir ao fundo… ver as paredes e os fundos enlameados… gosto de já não ter medo de olhar e ver… de já não ter tanto medo, pelo menos… gosto de ser quem eu sou… mesmo, e sobretudo, quando isso assusta, repele, causa estranheza… gosto de despedir o boneco… Continue reading

Partilhar
0

É aqui

Aconteça o que acontecer… faça eu o que fizer, é aqui

Nos livros, na intuição (para dentro) que eu sou feliz

Mesmo que chore, mesmo que me doa

Mesmo que pareça que o meu peite abre, estilhaça Continue reading

Partilhar
0

Faço sempre tudo mal

Faço sempre tudo mal, tudo ao contrário do que deve ser feito… a culpa manda mais do que eu… e eu nem  a conheço… começo e não consigo parar… isto… de dizer tudo o que penso, de dar força à merda que eu penso… e o peito aperta… e eu continuo… como se gostasse de braços cinzentos, afundados na lama cinzenta que engole… Continue reading

Partilhar
0

Hoje estou cansada disto tudo

Hoje estou cansada disto tudo… Cansada de meditar… Cansada de perguntar… Cansada de querer fazer tudo certo… Cansada… A sentir-me mal por te querer… A sentir-me frágil… A achar que não devo sentir-me assim… Que não estou a gerir bem as coisas por te querer tanto… Que me vou magoar… Porque sinto a tua falta… Continue reading

Partilhar
0