Cartas de Amor a J. V

Márcia Augusto

Sei que me temes a treva. Sei que corro o risco de nunca mais saber de ti a partir de hoje.

Também sei que te disse coisas duras…Coisas, algumas, que, provavelmente, não são verdade e foram o fel a falar, o fel que tu me provocas.

Porque eu não te sei amar, não sei isto de ficar vulnerável com alguém. Não sei isto de poder sofrer as texturas, a tua pele rugosa na minha a ser. Tenho medo de te amar. Continue reading

Partilhar
0

Em tudo eu entrei para falhar

Em tudo eu entrei para falhar… nos empregos, no amor… tudo tinha um fim certo.

Escrever foi ou é a única coisa em que eu nunca achei que pudesse falhar (porque na escrita não se falha… na escrita faz-se o que tem de ser feito, aceita-se a criação como ela vem)… que pudesse acabar… com ou sem apoios (?), barulhos ou golpes de asa… eu haveria de escrever sempre, porque isso é a minha (?), a minha banda sonora de filme, a minha hollywood inventada… a minha brincadeira preferida de infância…

Continue reading

Partilhar
0

A L.

Escrevo-te no fumo e nos olhos que me deixaste, para conservar o calor de nós os dois, L.

Não te dei os olhos… eu sei que te fugi com os olhos, L. Não porque não te queria. Na verdade, esta noite eu só te quis, L.

Inventei os teus braços nas minhas ancas e cantei para ti. Ouviste?

Continue reading

Partilhar
0

Sobre me ser

Tenho sempre um apelo natural pela água… vejo água e os meus olhos querem entrar. O meu corpo todo quer entrar, porque os olhos não chegam para ver tanto… para ser tanto como eu sou, quando vejo água.

E o sol é como constelações desenhadas, numa impressão celeste, quase real.. estrelas a ditar a valsa dos meus olhos, prontas a impressionar-me, impacientes para serem notadas… como se precisassem. Continue reading

Partilhar
0

O amor não tem glamour

O amor não é um rendado a esconder o medo… o medo de sermos feios ou de não sermos bonitos o suficiente quando despidos. O amor também não é sem roupa. Nem sabe o que isso é… isso… o medo de sermos feios, frios, descolorados e quebrados, nos vidros que ninguém vê e que nós achamos que há. Não há. Não há quebra possível em nós. Continue reading

Partilhar
0