#Retiro – fechei a porta.

Retiro,Tranquei a porta. Fechei à chave. Podes ir embora.O meu veneno tornou-se na minha cura
Se hoje falo como falo escrevo como escrevo
Se sou criança de novo
E pura ao menos pura pelo menos pura
No que escrevo
É porque me calei
Me anulei
Me fechei as cores
Sobrou o real
Na procura de mim sobrou o que ainda lá estava
O que não pude eliminar
Eu-só
E as palavras, meu veículo#elasDoAvesso

Dá-me azulejos e rosas. E silêncio, meu amor. #ElasDoAvesso #FrasesEstoriaQueSeRepetem

Palavras Não-Prostitutas

Tenho a certeza de que “sou”

as pessoas acham que sou
Calada, introvertida,
Porque me sobram as palavras no papel e no vídeo
Se eu falasse, que era da mulher do vídeo e do papel?
Se eu falasse à toa, que era feito de mim? Quem eram Elas do Avesso? Só mais umas. Só mais uma.
Não falo porque me sobram as palavras. Ou estou proibida de falar para as palavras me sobrarem
Respeito muito as palavras
Demasiado as palavras
Para as desrespeitar
Não as uso em desuso nem demasia
Na vida quotidiana, pelo menos
São demasiado reais
Demasiado verdadeiras para me aproveitar delas
Viver delas
Falar bonito para impressionar
Nunca foi a minha meta embora pareça
Quando estou a ser avaliada
Calo-me
As palavras não me devem servir
Eu sirvo as palavras
Elas limpam-me o entalamento
#palavrasEntaladas

Sem título sem pronúncia sem amor sem paz. Sem. Com Tudo.

Sei do que me faz feliz
Sei o que me enche o coração
Poesia Poesia Poesia
Enche em mim
Escreve em mim
Inscreve em mim
Poesia

A filosofia sai, jorra
Não pensa
A filosofia, a verdadeira filosofia, a do pensamento a do pensamento vivo que irrompe
Vem sem a convocar
Fura
Primeiro bebe a realidade
A realidade bebe em mim ou eu sou embebida
Depois
Terreno profícuo
Ela jorra
Não posso dizer que fui eu
O pensamento foi-me dado
A verdade circunscrita
Foi-me dada
Eu só a inscrevo no mundo

Tudo como na poesia
Primeiro o amor
A realidade
Depois o mundo

O mundo – fundo
A poesia

Como o amor

Não me peçam que fale
Não me peçam que fale isso não vai acontecer

Nem no poema
Nem na poesia ou no amor
Não.
Não me peçam

Como em tudo e no amor
Espero
Que a realidade me aprofunda
Fecunda
Profunda em mim e me mostre ao que vem ao que quer
Como a Poesia, o Eduardo ou o Amor

Poesia, Vida, modus operandi
Filosofia

Não este não é um poema das horas vagas

Nem das coisas certas

Muito menos da coesão ou da profusão sequer da correção gramatical

Este é só um poema

Sem regras

Dependente dos meus ouvidos

Do que eu consigo ouvir

Eu só

Mais ninguém

Mesmo que todos comigo