Poesia de Cordel I

Este é o meu poema preferido… sempre foi… se sempre será… não sei. importa agora.

Felicidade é uma gota de água a escorrer-me

Pelo pulso e uma árvore molhada,

De sede respondida, de mala posta

Nos meus dedos

Uma janela, e um chá com reflexo

O dia acabou e a felicidade é possível

Essa devia se a única certeza

Parar, ter tempo de olhar um reflexo

Ouvir cordas por baixo da voz

 

Poesia sudada

E eu aqui

Nesta janela

Neste dia de chuva

Neste chá e um reflexo

Nada

Nada atingido

Existência

Existir só.

 

Paz no visor e um sorriso

O resto a vida traz

 

O relevo de um vidro nos dedos

Ou um vidro molhado

Um letreiro sem idade

Nunca visto

O mundo é visto agora nos dedos

Isso nos baste.

 

Nada do que eu goste,

Nada do que eu penso.

 

Só os meus dedos,

O cheiro do vidro molhado

A frescura de um parapeito chuvoso

E eu. Sol. Tudo.

 

E a confiança de um gato

No meu colo

De um trigésimo andar

#ElasDoAvesso

Partilhar
0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *