Clitóris-Peixe Na Tua Boca

(quando as tuas amigas te dizem que ou publicas ou… tu tens de publicar,)

Isto… algures na @Bertrand do Alameda 🙂

Se escrevo, meu amor
é porque é nas palavras que me desfaço
nas palavras não há medo
não há pudor


não te olho
mas amo-te
nas palavras
é tudo teu
tudo reina

nas palavras
mesmo que um cepo
és rei
nas palavras e neste sofá
és sereio
e tristão
de trindente apontado
se pudesses
entravas em mim agora
mesmo que digas com esse decerto intragável
que é melhor levar pão
na poesia desejo-te e perdoo-te o impossível
na poesia tudo é possível
até tu meu amor

a poesia
a poesia faz sorrir meu amor
como agora
mesmo que tu não percebas
percebendo tudo

(Depois do Rio)

E permitir que tu me renasças a cada porta
a cada casca partida
a cada casco novo
tu
só tu

e canto
e fujo
das lágrimas
tenho medo de te amar meu amor
em ti

o meu clitóris é peixe na tua boca

A ti que me comes com tesão
e que me bebes as palavras
a ti, só a ti
que me pões de quatro
e que podes o meu poema
podes percorrê-lo e escorrê-lo dentro de mim
eis o teu esperma
palavra em mim
amor em mim
história em mim
corrente em mim

A poesia é gravidade
tudo em mim
gravidade e doçura
Poesia é verdade
é palavra que foge
Deus em forma

Poesia
penetra os ouvidos
violenta-me violenta e doce
acaba em mim
rebenta em mim
e seduz -me
Poesia

#ElasDoAvessoPenetradas

Partilhar
error0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *